Gestalt Terapia

A Gestalt Terapia é um sistema teórico e metodológico originário da psicologia da Gestalt, psicanálise e fenomenologia. Também têm influências da neuropsiquiatria de Goldstein e existencialismo. Gestalt é uma palavra alemã que pode ser entendida como uma configuração, estrutura, um todo organizado e significativo (PHG, 1997; ROBINE, 2006).

Perls, Hefferline e Goodman (1997) descrevem a Gestalt Terapia como uma teoria e prática clínica que abrange tanto a psicologia normal como a anormal, compreendendo a psicoterapia como um método não de correção, mas de crescimento. Sua análise será da experiência concreta, o que importa é o “como” acontece esta experiência.

Robine (2006) considera o livro “Gestalt-Terapia”, lançado em 1951, como fundador da abordagem. PHG (1997), autores da respectiva obra, declaram que o propósito era justamente desenvolver uma nova teoria e método, contudo trazem, ainda no prefácio, a citação de um livro anterior, “Ego, Hunger and Agression” de 1947, em que Frederick S. Perls, fundador da GT, apresenta uma importante teoria à abordagem gestáltica, “Figura-fundo”, assim como relevantes conceitos: necessidade e auto regulação organísmica. 

PERLS, F.; HEFFERLINE, P.; GOODMAN, P. Gestalt Terapia. São Paulo: Summus, 1997.

ROBINE, Jean-Marie. O Self desdobrado: perspectiva de campo em Gestalt Terapia. São Paulo: Summus, 2006.


Nesta página você encontrará publicações sobre à Gestalt Terapia e Esquizofrenia, assim como a GT e Saúde Mental e Psicoses em geral. O objetivo é facilitar a procura, pois ainda há poucas publicações relacionando a GT com estes assuntos. As bases de dados utilizadas para as buscas são: Bireme, Google Acadêmico e Scielo.

As referências estão postadas em ordem cronológica decrescente e possuem link (é só clicar em cima do nome) direto ao texto.

Encontrando um modo de ser esquizofrênico, arte e técnica na gestalt terapia. Júlio Manoel dos Santos Filho Virgínia Elizabeth Suassuna Martins Costa, 2016.

Gestalt Terapia e Modelo biomédico_Aproximações na compreensão dsas psicopatologias. Luciane Patrícia Yano, 2015.

A experiência das psicoses_Um olhar teórico-clínico da Gestalt-Terapia. Marcela Albo de Oliveira, 2015.

Contribuições gestálticas no trabalho com portadores de transtorno mental através da Oficina de Teatro e imagem. Ana Carolina Pacheco de Paula, 2013.

Suicídio e manejo psicoterapêutico em situações de crise, uma abordagem gestlatica. Karina Okajima Fukumitsu Karen Scavacini, 2013.

Contribuições à compreensão diagnóstica em Gestalt terapia o uso do ciclo de contato como base para uma tipologia gestáltica em diálogo com o DSM IV TR, eixo II. Autor Ênio Brito Pinto. Ênio Brito Pinto, 2012.

Ensaios Preliminares As psicopatologias como disturbios das funções do self. Carlene Maria Dias Tenório, 2012.

Gestalt-Terapia e cuidado em saúde mental Um diálogo possível e necessário. Patrícia Bessa Silva, 2012.

A arteterapia gestáltica como instrumento na clínica individual com clientes que estão esquizofrênicos. Fabrício Siqueira Basso, 2011.

Reflexões acerca da esquizofrenia na abordagem gestáltica. Ludmila Vieira, 2010.

A clínica gestáltica e os ajustamentos do tipo psicótico. Lílian Cherulli de Carvalho e Ileno Izídio da Costa, 2010.

Ressocializar é possível Uma contribuição da Gestalt-Terapia nas atividades de um hospital-dia de uma instituição psiquiátrica. Paulo Hospodar, 2009.

A Intervenção Precoce nos Ajustamentos do Tipo Psicótico e a Clínica Gestáltica. Lílian Cherulli de Carvalho, 2008.

Clínica dos ajustamentos psicóticos_uma proposta a partir da Gestaltterapia. Müller-Granzotto & Müller-Granzotto, 2008.

A relação com o outro na construção da psicopatologia sob o enfoque da gestalt terapia. Iasmim Santos da rocha Pinto, 2007.

Terapia Gestalt con esquizofrenicos. John H. Gagnon, s.d.