Relato Grupo Expressando Sentimentos: Tema Futuro

Relato do Grupo Expressando Sentimentos, uma das atividades realizadas por mim no CAPS II de São José/SC.

Sentados em círculo iniciamos falando sobre o tema futuro, para o desenvolvimento da discussão solicitei que se imaginassem daqui há 10 anos: Vão estar com quantos anos? Como estarão fisicamente? Como estarão as pessoas ao seu redor? o que vocês estarão fazendo? Entre outras perguntas. Após um tempo para reflexão, subgrupos foram feitos para que cada um pudesse contar a alguns colegas o que imaginou. Cada subgrupo ficou em uma sala diferente para facilitar a discussão, enquanto isso eu revezava, indo nas salas ajudando-os no diálogo. Após uns 15 minutos todos já haviam falado e então passamos para outra etapa: colocar numa cartolina, através da escrita ou desenho, a visão geral do grupo sobre o futuro. Esta atividade foi importante para que eles pudessem concretizar suas falas num cartaz, sintetizando o pensamento do subgrupo como um todo. Utilizando-se de várias cores de c2014-10-20 07.44.07anetinha, alguns tiveram facilidade em realizar a proposta, outros com maior dificuldade conseguiram colocar no cartaz o que pensou sobre seu próprio futuro, sem incluir a opinião geral. Poucos minutos foram necessários (10 à 15 min) para terminarem, colamos os cartazes na parede de forma que ficassem visível a todos e um representante de cada subgrupo falou um pouco sobre a ideia contida no cartaz.
O tema violência/paz, polícia, prédios, trânsito e religião foram mais proeminentes. Ao lado, um dos cartazes realizados.

Finalizamos o encontro com a música “Tocando em Frente” de Almir Sater e Renato Teixeira. Antes de escutarmos entreguei a letra da música para todos acompanharem. Pedi que prestassem atenção na letra.

Ando devagar por que já tive pressa
E levo esse sorriso por que já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe,
Só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Nada sei.

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando dias pela longa estrada eu vou
Estrada eu sou.

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir.

Todo mundo ama um dia todo mundo chora,
Um dia a gente chega, no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
E ser feliz.

Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir.

Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Cada um de nós compõe a sua história,
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
E ser feliz.

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir.

Fonte: http://www.vagalume.com.br/almir-sater/tocando-em-frente.html

Enquanto escutávamos a música alguns cantavam junto, outros acompanhavam a letra da música silenciosamente. Ao terminar perguntei se alguma parte\frase da música havia chamado a atenção, todos ficaram quietos. Propus que lêssemos juntos a letra da música para facilitar o entendimento, eles toparam e alguns se voluntariaram para ler. Após a leitura cinco pessoas (estavam presentes 10 pessoas) conseguiram falar uma frase que lhe chamou a atenção, eu também falei de uma parte que mais me tocou. As frases escolhidas por eles foram: “É preciso chuva para florir”; “Um dia a gente chega no outro vai embora”; “Ando devagar porque já tive pressa” e dois escolheram “levo este sorriso porque já chorei demais”. 

Terminamos com o sorteio do tema para o próximo encontro. Alguns vieram até mim para falar que gostaram muito da música e que já a conheciam, outros pediram para levar a letra, todos puderam levar. 

______________________________________________________________________

Escrito por: Cristina Folster, em 10 janeiro 2015

Programas, Revistas e Sites sobre Esquizofrenia e/ou Saúde Mental

Importantes Links para quem interessa-se pela área e gostaria de aprofundar-se mais no assunto. Destaco o programa PROESQ por ser um programa de referência no Brasil para atendimento e pesquisa com esquizofrenia (Vale muito a pena conferir!). Estes links também estão disponíveis em Vídeos, Livros, Sites e Blogs, página do site.

______________________________________________________________________

Programa de pesquisa em esquizofrenia. logo

PROESQ – Programada de Esquizofrenia da Universidade Federal de São Paulo. Dentro do programa são desenvolvidas tecnologias de atendimento que vêm sendo implementadas em todo o Brasil. O programa é bastante abrangente e inclui muitas linhas de pesquisa tais como estigma, avaliação de modalidades terapêuticas e investigação da neurobiologia da doença. É pioneiro no Brasil ao pesquisar estágios que antecedem o início da esquizofrenia na tentativa de desenvolver estratégias de prevenção.

______________________________________________________________________

Revistas em Esquizofrenia e Saúde Mental

Revista Brasileira de Psiquiatria. Este periódico publica trabalhos originais de todas as áreas da psiquiatria, com ênfase nas áreas de saúde pública, epidemiologia clínica, ciências básicas e problemas de saúde mental relevantes em nosso meio.

Cadernos Brasileiros de Saúde Mental. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental (Brazilian Journal of Mental Health) é uma publicação interdisciplinar semestral da Universidade Federal de Santa Catarina, através do Grupo de Pesquisas em Políticas de Saúde/Saúde Mental – GPPS, Departamento de Saúde Pública, Centro de Ciências da Saúde, em coladoração com a Associação Brasileira de Saúde Mental – Abrasme.

______________________________________________________________________

Sites de busca em temas Saúde Mental

Centro Cultural Ministério da Saúde – Área Temática Saúde Mental.  Este site proporciona ao usuário a localização ágil das fontes de informação referentes a temas específicos em saúde mental.

OMS – Organização Mundial da Saúde.  WHO – World Health Organization. Temas de Saúde Esquizofrenia. Publicações e links sobre a esquizofrenia.

Associações Nacionais e Internacionais de Esquizofrenia e/ou Saúde Mental

A seguir reúno os links das principais Associações de Esquizofrenia e/ou Saúde Mental. A maioria conta com publicações, notícias  e eventos na área, promovendo conhecimento atualizado sobre o assunto. Como é o caso da ABRASME que já realizou quatro congressos nacionais em Saúde Mental. Este post faz parte da página Vídeos, Livros, Sites e Blogs do nosso site.

______________________________________________________________________

Associações Brasileiras de esquizofrenia e saúde mental 

ABRASME – Associação Brasileira de Saúde Mental. informativo_1335103475_1_6_image002 Organização não governamental, fundada em 2007. Está localidada em Florianópolis e já possui filiais em mais de 10 estados do Brasil, estando já constituindo filiais em todos os outros estados. Dentre suas principais finalidades estão o apoio na articulação entre centros de treinamento, ensino, pesquisa e serviços de saúde mental; o fortalecimento das entidades-membro e a ampliação do diálogo entre as comunidades técnica e científica e destas com serviços de saúde, organizações governamentais e não governamentais e com a sociedade civil.

ABRE – Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Esquizofrenia. Desde sua criação em 2002 a ABRE vem desenvolvendo sua missão. Atuou na defesa dos direitos, desenvolveu e disseminou um conhecimento sobre a doença do ponto de vista das pessoas com esquizofrenia e seus familiares, estimulou a atuação em rede com outras organizações e instituições de saúde mental, atuou junto aos meios de comunicação e na sociedade para eliminar o estigma da doença e desenvolveu conhecimentos e estratégias para melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas pela doença.

Fênix – Associação Pró-Saúde Mental é uma organização civil sem fins lucrativos criada em 1997 para dar apoio a grupos de auto-ajuda de portadores de transtornos mentais e seus familiares.

______________________________________________________________________

Associações Internacionais de Esquizofrenia

Federação Mundial de Saúde Mental. Fundada em 1948 com a missao de promover a prevenção de distúrbios mentais e emocionais; o tratamento adequado e cuidados das pessoas com esses transtornos e a promoção da saúde mental.

WFSAD – World Fellowship for Schizophrenia and Allied Disorders. A Sociedade Mundial de Esquizofrenia e Transtornos aliados (WFSAD) é a única organização de base global dedicada a aliviar a carga de esquizofrenia e outras doenças mentais graves para os doentes e suas famílias. WFSAD se esforça para aumentar o conhecimento, compreensão e compaixão e reduzir o medo, estigma, discriminação e abuso que acompanhar essas condições difíceis.

OBS: A WFSAD fundou-se à Federação Mundial de Saúde Mental, mas continua com site própria em exibição.

Entrevista: Esquizofrenia

Depoimento do filósofo e pesquisador Jorge Cândido de Assis, sobre sua experiência com a esquizofrenia. Ele fala sobre temas importantes como: Primeiro surto, internação, tratamento medicamentoso e psicossocial, estigma, dificuldades e superações.

Jornal Futura 25/06/2013.

Processo de desinstitucionalização em Santa Catarina – Relatório de Gestão

A equipe da Coordenação Estadual de Saúde Mental realizou um relatório descrevendo como está o estado de SC em relação ao processo de desinstitucionalização até o ano de 2010. Números de valores de verbas utilizadas e de programas em funcionamento são explanados, assim como cada serviço é explicado.

  • Programa Anual de Reestruturação da Assistência Hospitalar Psiquiátrica: tem como objetivo a redução contínua e programada de leitos em hospitais psiquiátricos, com a garantia da assistência desses pacientes na rede de atenção extra-hospitalar, buscando sua reinserção social. (Portarias GM nº 52 e 53/2004).

O quadro abaixo ilustra o processo de redução de leitos dos hospitais psiquiátricos no Estado.      

Evolução – leitos hospitais psiquiátricos

Ano Instituto Psiquiatria/SC Centro Convivência Santana Instituto São José Casa de Saúde Rio Maina Total
Até 2003 140 500 134 180 954
2004 160 360 120 160 800
2005 160 320 120 160 760
2006 160 300 100 160 720
2007 160 290 100 160 710
2008 160 270 100 160 690
2009 160 254 40 160 614
2010 160 247 35 160 602
  •  Programa Nacional de Avaliação do Sistema Hospitalar/Psiquiatria (PNASH), instituído pelo Ministério da Saúde – Portaria GM 251 de janeiro/2002 é um instrumento que avalia a estrutura física do hospital, a dinâmica de funcionamento, os recursos terapêuticos e que permite um diagnóstico da qualidade da assistência prestada pelos hospitais psiquiátricos da rede pública. Ao mesmo tempo, orienta, aos prestadores, sobre os critérios para uma assistência psiquiátrica hospitalar compatível com as normas do SUS, e descredencia, aqueles hospitais sem qualquer qualidade na assistência prestada a sua população adscrita.

 O quadro abaixo mostra os resultados obtidos no PNASH, nos anos 2002, 2004 e 2007.

Hospital 2002 2004 2007
Instituto de Psiquiatria/SC 86,13% 96,5 %      83,19 %
Hospital Colônia Santana 80,78% 95,7%      79,31 %
Instituto São José 92,54% 94,0%      91,41 %
Casa de Saúde Rio Maina 76,86 % 82,4 %      69,14 %

Observamos um aumento da pontuação dos 04 hospitais psiquiátricos do Estado em 2004, com relação a 2002. Entretanto, um decréscimo da pontuação de todos, em 2007. Nos anos subseqüentes, o Ministério da Saúde não realizou o PNASH.

  • Serviço Residencial Terapêutico (SRT): são casas localizadas no espaço urbano, constituídas para responder às necessidades de moradia de pessoas com transtornos mentais graves egressas de hospitais psiquiátricos e hospitais de custódia e tratamento psiquiátrico, que perderam os vínculos familiares e sociais; moradores de rua com transtornos mentais severos, quando inseridos em projetos terapêuticos acompanhados nos CAPS. Para as pessoas egressas de internação psiquiátrica, o financiamento desse serviço é mediante a transferência do recurso da AIH que financiava a internação do paciente, para o teto orçamentário do município, além de um repasse do MS no valor de R$ 10.000,00, a título de incentivo para a implantação do SRT. Portarias: GM º 106/2000; GM nº 246/2005.

Permanece-se com as mesmas 03 SRT, vinculadas ao Instituto de Psiquiatria. Conforme legislação, essas casas devem ter gestão municipal. O município de São José ainda não assumiu a gestão, por não contar com uma rede de saúde mental.

O município de Joinville recebeu incentivo – valor R$ 20.000,00 do Ministério da Saúde para a implantação de 02 SRTs, porém, não ocorreu o funcionamento no ano de 2010.

  • Programa de Volta para Casa (PVC): o objetivo é garantir a assistência, o acompanhamento e a integração social, fora da unidade hospitalar, de pessoas acometidas de transtornos mentais, com história de longa internação psiquiátrica. O beneficiário recebe um valor mensal de R$ 320,00

Pode ser beneficiária do PVC qualquer pessoa com transtorno mental que tenha passado dois ou mais anos internada, ininterruptamente, em instituições psiquiátricas, até a data de publicação da portaria. Referência: Lei 10.708/2003.

No Estado de Santa Catarina 42 pessoas já foram habilitadas para receber o benefício – reabilitação psicossocial – porém, esse número é pouco expressivo, tendo em vista que contamos com cerca 247 moradores asilares no Centro de Convivência Santana.

Em 2010 foram cadastradas para receber o benefício – PVC, 3 pessoas, sendo 2 do município de Florianópolis e 1 do município de Jacinto Machado. Atualmente, 32 pessoas recebem o benefício.

A Portaria GM nº 2077/2003 é a referência para habilitação dos municípios ao Termo de Adesão Municipal – PVC. Em 2010 foram habilitados 04 municípios, conforme mostra o quadro a seguir.

Programa de Volta para Casa – Municípios com Termo de Adesão

Município Portaria de habilitação
São JoséFlorianópolisCampos NovosLages

Blumenau

Joinville

Camboriú

Canoinhas

Jaraguá do Sul

Içara

Palhoça

Jacinto Machado

Abelardo Luz

Caçador

Xanxerê

GM nº 2381 de 17/12/2003GM nº 595 de 08/04/2004GM nº 2069 de 24/09/2004GM nº 2069 de 24/09/2004

GM nº 839 de 13/05/2004

GM nº 428 de 22/03/2005

GM nº 26 de 06/01/2006

GM nº 26 de 06/01/2006

GM nº 26 de 06/01/2006

GM nº 1874 de 07/08/2007

GM nº  1.313 de 27/06/2008

GM  nº 1.422 de 2/06/10

GM nº  3.684 de 25/11/10

GM  nº  3.133 de 14/10/10

GM  nº  3.684 de 25/11/10

  •  Centros de Convivência e Cultura

Como dispositivo de inclusão social, são fundamentais para a consolidação do processo de mudança do modelo de atenção à saúde mental.

No Estado ainda não contamos com este dispositivo, mesmo tendo a recomendação do MS para a implantação nos municípios com população superior a 200 mil habitantes, a falta de incentivo financeiro por parte do MS tem dificultado a implantação, sendo preciso construir estratégias junto ao Ministério da Cultura para a expansão e custeio destes espaços.

  • Programas de Inclusão Social pelo Trabalho e geração de renda

São espaços que buscam contribuir para a reabilitação psicossocial e econômica da pessoa com transtorno mental e/ou com problemas decorrentes do uso abusivo e da dependência de álcool e outras drogas, por meio de sua inserção em oficinas de geração de trabalho e renda ou em grupos associativos, associações, cooperativas, organizados de forma coletiva e participativa, formais ou informais. Os programas são formalizados nos municípios, em prol da inclusão social dos usuários de saúde mental. Atualmente, há 19 municípios com projetos implementados e incluídos no Cadastro de Iniciativas de Inclusão Social pelo Trabalho (CIST) do Ministério da Saúde; outros municípios possuem projetos de geração de renda informais a partir do material produzido nos CAPS. Os municípios com projetos cadastrados no CIST são: Timbó, Porto União, Pomerode, Mafra, Palmitos, Maravilha, Joinville, Jaraguá do Sul, Itapema, Itajaí, Imbituba, Herval do Oeste, Gaspar, Florianópolis, Criciúma, Chapecó, Canoinhas, Caçador e Blumenau.

  • Rede de Atenção à Saúde Mental
            Especificação Quantitativo
Serviço Municipal de Saúde Mental – atenção básica       165
Ambulatório de psiquiatria (Hospital Universitário/UFSC, Jaraguá do Sul, Tubarão, Chapecó, Balneário Camboriú)        05
Núcleo Apoio Saúde da Família – NASF/SC       116
Centro de Atenção Psicossocial (CAPS)         74
Centro de Convivência Santana (Hosp.Colônia Santana)  – CCS        247 leitos
Instituto de Psiquiatria/SC       160 leitos
Instituto São José        35 leitos
Casa Saúde Rio Maina      160 leitos
Total geral leitos psiquiátricos     (exceto CCS)       843 leitos
Serviço Residencial Terapêutico       03
Centro de Convivência e Cultura       00
Projetos de Geração de Renda      19 municípios34 projetos

Texto completo em:  ESTADO DE SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Saúde. Relatório de Gestão 2010. Santa Catarina: 2010.